O Futuro da Privacidade: você consegue ler o teste Rorschach do Romney?

O Futuro da Privacidade: você consegue ler o teste Rorschach do Romney?

“artigo retirado do AVG Official Blogs”

por Siobhan MacDermott

 

No dia 29 de outubro de 2012, o Bloomberg BNA informou sobre a recente especulação (angustiante, em alguns trechos) que o Consumer Privacy Bill of Rights (ou Código de Direitos de Privacidade do Consumidor) da administração de Obama “enfrenta perspectivas obscuras se Mitt Romney vencer a apertada disputa presidencial” por causa de seu ”ceticismo geral sobre a regulamentação”.

 

Antes do primeiro debate presidencial (3 de outubro), uma manchete sobre a provável oposição de Romney com relação a regulamentação da privacidade teria sido uma notícia tão interessante como CACHORRO MORDE HOMEM. Durante o debate, no entanto, o governador Romney proclamou em toque de sílabas que “A regulamentação é essencial.” E, então, ele continuou: “Você não pode ter um livre mercado de trabalho, se você não tem uma regulamentação. … Quero dizer, você tem que ter regras, para que a economia possa funcionar. Toda economia livre tem uma boa regulamentação “.

 

Não é de se admirar que o presidente Barack Obama, momentaneamente ficou à frente de um adversário totalmente desconhecido, um bizarro Mitt, estava atordoado e de volta para a sonolência que o envolvia aquela noite. Seu estupor aparentemente tornava incapaz de apontar o contraste entre o que seu adversário tinha pronunciado e a postura contra a regulamentação “severamente conservadora” que ele abraçou, pelo menos, por uma meia dúzia de anos, e que ainda tem na sua própria página de campanha.

 

Tendo em conta o desempenho do governador no dia 03 de outubro, não devemos nos surpreender que “representantes atuais e antigos do Romney disseram a BNA que ele entende que a informação do consumidor deve estar protegida e provavelmente estaria aberto a rever o plano da Casa Branca”.

 

Será que um Presidente Romney se livraria do Consumer Privacy Bill of Rights (talvez até mesmo no primeiro dia)? Ou será que ele defenderia isso no Congresso?

 

A sua resposta depende se você acredita que o Mitt pós-primária, pós-convenção, pós-debate, encontrou seu verdadeiro centro no centro da política ou está apenas dando seu Traço Mágico demonstrando o quão cínico era Rob Gleason, Presidente do Partido Republicano da Pensilvânia que prometeu voltar em Setembro.  O governador nasceu novamente de forma moderada? Ou, ao contrário de sua retórica recente moderada, ele permanecerá o candidato “severamente conservador” que derrubou os outros aspirantes republicanos em seu caminho para o debate presidencial?

 

O problema é que, seja qual for sua resposta, você não pode realmente saber. Talvez em algum momento depois do dia 20 de Janeiro, mas, agora, a mancha de tinta que é o teste de Rorschach do Romney olha para você como um morcego que bate suas asas, enquanto que, para mim, é um par de periquitos se beijando.

 

Para dizer a verdade, também não sabemos tanto assim sobre as perspectivas para a regulamentação da privacidade sob mais quatro anos de uma presidência de Obama. Em cima da mesa está uma proposta para a indústria de autoria de códigos de privacidade a ser adotada voluntariamente pelos fornecedores de e-commerce, mas que deve ser aplicada pelo FTC (Federal Trade Commission – Comissão Federal de Comércio). O que vai realmente ser feito, e quais as empresas vão realmente cumprir? Quem sabe?

 

Ainda assim, o Consumer Privacy Bill of Rights da administração do Obama torna a posição do Presidente mais que uma mancha de tinta, o que dá entendimento à Internet, consciência de privacidade ao eleitor e dá uma pequena vantagem, pelo menos, quando se trata de da regulamentação da privacidade prevendo mais quatro anos de Obama contra quatro anos (ou mais) de Romney.

 

Essa pequena vantagem é o suficiente?

 

Acho que não. Ambos os candidatos oferecem diferentes graus de incerteza em um momento de crescente pressão regulatória da Europa, aumentando incursões da privacidade individual, a preocupação crescente (e motivo para preocupação) sobre a segurança cibernética (inseparável da privacidade), e diminuindo a confiança entre os usuários individuais da Internet (por um lado) e (por outro lado) os fornecedores de e-commerce, governo e, não menos importante, todos os usuários individual da Internet.

 

Todas as partes interessadas da Internet ​​precisam urgentemente muito mais que uma mancha de tinta, mas também mais do que uma tentativa e muito possivelmente golpes impraticáveis ​​em soluções regulamentares. A AVG Technologies foi a primeira a oferecer algo a mais: uma gratuita ferramenta ativa do-not-track (DNT) que colocou uma parte importante da privacidade do consumidor nas mãos do consumidor individual mais do que nas da indústria ou do governo. Esta tecnologia é parte da dimensão tecnológica do que chamamos de “terceira abordagem” à privacidade online. Um novo livro, Wide Open Privacy: Strategies for the Digital Life, que eu escrevi com o CEO da AVG, JR Smith, detalha as dimensões estratégicas e táticas da terceira abordagem.

 

Enquanto você espera os resultados do dia 06 de novembro, procure o livro na Amazon. JR e eu estamos confiantes de que ele vai te dar mais controle sobre sua privacidade digital do que qualquer partido político provavelmente vai oferecer em quatro anos, oito, ou, para esse assunto, nunca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *