A tecnologia deixa as crianças estúpidas?

A tecnologia deixa as crianças estúpidas?

“artigo retirado do AVG Official Blogs”
por Siobhan MacDermott

 

Eu passei muito tempo pesquisando sobre esse assunto e me perguntando se estamos causando danos permanentes aos nossos filhos usando dispositivos digitais como babás, ou – na melhor das hipóteses – “facilitadores de aprendizagem”. Agora, novas evidências sugerem que não apenas suas mentes estão em riscos, seus corpos também estão. Eu realmente não quero entrar em um debate ergonômico aqui, mas eu acho interessante que muitos dos principais executivos de tecnologia do Vale do Silício optaram por colocar seus filhos em escolas onde a tecnologia em si – não é permitida.

 

Tricô realmente ajuda um aluno do 5º ano a resolver problemas de matemática? Possivelmente. Talvez todos os pais da tecnologia estivessem certos aqui. A tecnologia fundamentalmente é uma “habilidade” que pode ser aprendida – em oposição a um facilitador fundamental da cultura digital? Alguém poderia argumentar que a maioria dos titãs da tecnologia de hoje foram criados em lares que não eram conectados (especialmente se tiverem mais de 35 anos de idade). Eu cresci em uma casa onde eu tinha que ser “educado” primeiro lugar e “treinado” em segundo lugar, por isso, eu posso ser – reconhecidamente – tendencioso.

 

A tecnologia digital não “reajusta” os cérebros das crianças para ser impulsivo ou para realizar multitarefas. É um erro atribuir a impulsividade e breves períodos de falta atenção dos adolescentes à influência da tecnologia digital. Existe, contudo, uma grande quantidade de dados, bem como evidências anedóticas que indicam que a exposição contínua a meios digitais reforça e permite a impulsividade, incluindo o impulso de pular de uma tarefa para outra, e que também agrava e permite que outros aspectos de comportamento que se espera de um indivíduo.

 

O que são precisamente esses efeitos?

 

1. Sobrecarga de informação digital. Existe uma lacuna entre a abundância – o que Palfrey e Gasser chamam de “sobrecarga” – de informações disponíveis na Internet e a capacidade cognitiva e neural das crianças e competência para avaliar isso de forma construtiva.

 

2. Condutas Viciosas. Pesquisas sugerem que a incidência da chamada “Internet Addiction” (Vício em Internet) pode ser superestimada. No entanto, muitas vezes os jovens tornam-se tão preocupado com a tecnologia digital a um ponto em que até mesmo um observador casual chamaria seu comportamento de viciante.

 

3. Desinibição. Mesmo um passeio casual pelo Facebook revela o grau impressionante que a mídia digital – (todos sabemos) nos expõe ao mundo – provoca perda de inibição em vez de colocar-nos no nosso melhor e mais adequado comportamento.

 

4. Introjeção solipsista. Uma autoridade sobre o “efeito de desinibição online”. O psicólogo John Suler, observou que, na ausência de contato visual, a comunicação de texto digital “pode ​​ter um efeito interessante sobre as pessoas. Às vezes, eles sentem que a sua mente se fundiu com a mente do companheiro online”.

 

5. Abismado. Nicholas Carr, autor de Is Google Making Us Stupid?, publicado no The Atlantic, em 2008, escreveu um livro provocativo, The Shallows:  What the Internet is Doing to Our Brains, no qual ele argumenta que a imersão total no ambiente on-line essencialmente monopoliza as áreas do cérebro que lidam com o efêmero e fugaz, tornando o pensamento verdadeiramente impossível.

 

Então – a Escola Waldorf está no caminho certo? Talvez. O que é certamente evidente é que, como pais, temos o dever de limitar a quantidade de tempo que os nossos filhos passam em dispositivos digitais e on-line – pelo menos se nós queremos que nossos filhos cresçam para mudar o mundo.

 

Na minha própria experiência, meu filho mais velho 4 anos e meio é muito melhor sem a tecnologia. Sua imaginação voa e ele vai brincar por horas a fio sozinho. Dê a ele um iPad por um tempo e depois tire isso dele – essa é uma maneira infalível para resultar em um acesso de raiva. Só hoje, a Academia Americana de Pediatria sugeriu limitar o tempo de tela das crianças em duas horas por dia – eu aconselho mandar seus filhos para fora para aproveitar o sol e deixar suas imaginações livres.

3 thoughts on “A tecnologia deixa as crianças estúpidas?

  1. Acredito que é inegável o Avanço Tecnológico,porém, é preciso como educadores, enfatizarmos, que a Criança tem suas fases de vida , sendo-nos necessário,respeitá-la e educá-la como um Ser Biosóciocutural entre seu meio ambiente,respeitando seu desenvolvimento gradativo. Minha visão crítica:Tecnologia é para criança como um doce com bom sabor, mas que pode se tornar amargo pra vida inteira,senão ensinarmos sobre a maneira correta de seu bom uso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *